Ambliopia… O que é isso?

O nome Ambliopia tem origem grega e é formada pela união do radical amblio, que significa tolo, e ops que significa visão, portanto, sua tradução é visão tola. Estranho não? Mas é popularmente conhecida como olho preguiçoso, lembrou agora? Muitos me perguntam se a Ambliopia é doença ou consequência. Vou tentar elucidar o caso… Bem, todos nós nascemos com a visão a ser desenvolvida, assim como o andar, o falar, e se algo atrapalha esses desenvolvimentos, faz com que tenhamos alteração na visão quando crescemos. Esse é o caso da Ambliopia, que é a alteração no desenvolvimento da nossa visão.

Na Ambliopia, a visão (central) deixa de desenvolver, a criança possui uma baixa visão, não por uma anomalia na estrutura ocular, e sim, por alguma condição que interfira nesse desenvolvimento, seja num único olho, ou bilateralmente. Exemplo disso é o Estrabismo, as Ametropias (Ambliopia refracional), grau de óculos não corrigido, Ptose e outros.

Quero abrir aqui um parêntese, mesmo que a causa seja corrigida, a visão não é restaurada imediatamente, pois o cérebro está envolvido também nesse processo do desenvolvimento visual, e quanto mais tarde for o diagnóstico, mais difícil se torna a reversão do quadro e muitas das vezes a terapia se faz quase inútil.

A Ambliopia é causa mais comum de deficiência visual em crianças e adultos jovens e de meia idade. A OMS estima que 4% da população seja afetada. Não é fácil o diagnóstico da Ambliopia para a família e/ou aqueles que fazem parte do convívio da criança, principalmente quando acomete um olho só. O motivo é que as crianças não tem qualquer alteração aparente no seu desenvolvimento, ou queixa no seu dia a dia,  (elas não tem parâmetros ainda para dizer se veem embaçado ou não! ), por isso, o diagnóstico é feito na maioria das vezes na consulta oftalmológica de rotina. Portanto, papais e mamães, nossa maior arma contra a Ambliopia é a consulta oftalmológica  e quanto mais cedo melhor.

Fica ai a dica.

 

Dra Claudia Maestri
MD.PhD em oftalmologia